Imprensa

Professora do Centro Universitário Estácio conta a história da culinária junina
Ela destaca a versatilidade dos produtos típicos juninos e ensina a receita de uma deliciosa canjica de milho verde
 
Junho é um dos meses mais aguardados pelos nordestinos. O clima na região muda com os festejos juninos, que é uma das épocas mais gostosas do ano. Não só por conta das quadrilhas, do forró, das brincadeiras e do colorido especial que toma conta da região, como também por causa das comidas e bebidas típicas, que são uma delícia. A professora do curso de Gastronomia do Centro Universitário Estácio, Joseni Lima, conta um pouco da história desta festa e ensina a receita de uma deliciosa canjica de milho verde.
 
Apesar de ser comemorado em todo o país, principalmente na região Nordeste, os festejos juninos têm origem europeia e foram trazidos pelos colonizadores portugueses. De acordo com Joseni, o milho, o amendoim e a mandioca são alimentos de origem americana. Eles foram introduzidos à culinária junina brasileira por causa das influências indígenas e devido ao seu período de colheita coincidir com as festas.
 
“Esses alimentos são muito versáteis e podem ser servidos de diversas maneiras, como doces ou salgados. A mandioca, por exemplo, foi um dos ingredientes que mais encantou os nossos colonizadores devido ao número de produtos derivados desta raiz e pela forma como os índios a processavam”, ressalta Joseni.
 
A mandioca é base para os bolos de aipim, de carimã e tapioca; mingaus; pamonha e beijus. Assim como esta raiz, o amendoim também é utilizado de diversas formas. Apesar de, tradicionalmente, nesta época ser consumido cozido, também pode ser assado ou servido em forma de doces como pé-de-moleque e paçoca. 
 
O milho também é outra estrela das festas juninas e, assim como os outros ingredientes, também é base para diversos pratos. “Além de ser consumido cozido ou assado, o milho ainda pode ser usado para fazer mungunzá, mingau, bolo de milho verde ou de fubá, pamonha e essa deliciosa canjica que é uma das iguarias mais tradicionais e que não podem faltar à mesa” afirma Joseni.
 
Veja abaixo a receita da canjica e boa festa! 
Canjica de milho verde
 
Ingredientes
 
·         20 espigas de milho verde ou 11 xícaras (chá) de milho debulhado
·         1 litro de água
·         1 xícara (chá) de açúcar
·         1/4 colher (chá) de sal
·         1 xícara (chá) de leite de coco grosso
·         1 colher (sopa) de manteiga 
·         Canela em pó
 
Modo de Preparo
 
Bata o milho no liquidificador com a água. Passe por uma peneira e leve o líquido coado ao fogo. Junte o açúcar.
Mexa sem parar até começar a engrossar e acrescente lentamente o leite de coco, o sal e a manteiga. Continue cozinhando até que, ao colocar um pouco de creme num pires, ele fique firme quando esfriar.
Coloque num prato e sirva.
 
Sobre a Estácio
A Estácio, uma das maiores e mais respeitadas organizações educacionais do Brasil completa este ano 45 anos de atuação no segmento de ensino superior. Fundada em 1970 no Rio de Janeiro, a Estácio está, hoje em dia, presente em 22 estados e no Distrito Federal, contando com mais de 527 mil alunos matriculados e uma estrutura de cinco mil colaboradores e nove mil professores.

A Estácio oferece cursos reconhecidos pelo MEC, com elevados conceitos de qualidade, nas modalidades presencial e a distância, de Graduação (Tradicional e Tecnológica) e Licenciatura, nas áreas de Ciências Exatas, Biológicas e Humanas e, também, cursos de pós-graduação lato sensu. Os cinco cursos de Mestrado e três de Doutorado (Direito, Odontologia e Educação) oferecidos pela instituição, são avaliados com elevados conceitos de qualidade pelo MEC (CAPES). São, também, desenvolvidos e ofertados pela instituição cursos técnicos de preparação (PRONATEC), soluções de educação para empresas e cursos de extensão.

Cada vez mais comprometida com sua missão de “Educar para Transformar”, a Estácio mantém seus currículos totalmente alinhados com as necessidades do mercado de trabalho e a evolução proissional dos nossos alunos e aposta na tecnologia e na inovação como diferenciais para aprimorar o aprendizado.  Respeitadas as regionalidades e a contribuição individual de cada professor, o modelo de ensino da Estácio é nacionalizado e os conteúdos padronizados. Todos os alunos recebem material didático gratuito, de alto nível, em uma cadeia totalmente sustentável.