Imprensa

Fórum Anual de Docentes Estácio reúne 700 pessoas de todo o Brasil
Nove professores da Bahia participam do evento, que acontece hoje (07) e amanhã (08), no Rio de Janeiro
 
O projeto “Lixo Eletrônico”, que consiste em coleta e reciclagem de resíduos de computadores, foi um dos nove selecionados, na Bahia, para participar do VI Concurso de Produção Científica da Estácio, que acontece durante o 5º Fórum Anual de Docentes Estácio. O evento, que começou hoje (07) e vai até amanhã (08), no Rio de Janeiro, reúne 700 pessoas, entre professores de todas as regiões do Brasil, e convidados do Grupo.
 
Na abertura do evento, o presidente do Grupo Estácio, Rogério Melzi, destacou o crescimento do Fórum, que em 2009 teve a participação de 350 pessoas e este ano tem o dobro de participantes. "Investimos 1 milhão de reais na realização deste evento, comprovando nosso interesse na valorização e qualificação dos nossos docentes”. Melzi demonstrou ainda a expansão da Rede Estácio no Brasil, que hoje é a maior instituição de ensino privado do Nordeste, com 70 mil alunos e nove unidades regionais.
 
A primeira palestra do Fórum, “Educando para Inovação na Sociedade do Conhecimento”, foi ministrada pelo convidado Ronaldo Mota, que é Pesquisador do CNPq na área de Física e, entre outras coisas, Pós-Doutor na University of British Columbia-Canadá e na University of Utah-EUA. Ele salientou que as tecnologias digitais devem ser adequadamente utilizadas para promover a melhoria da educação no Brasil.
 
"O país tem mais de 100 milhões de pessoas conectadas à internet. Aqui nós temos experiências belíssimas acontecendo, com interface entre tecnologia, inovação e educação, mas precisamos reproduzir isso em larga escala. É preciso criar políticas públicas que permitam essa transformação", defendeu Ronaldo Mota, que em outubro lança o livro “Educando para Inovação e Aprendizagem Independente.
 
Na programação, há ainda o VI Concurso de Produção Científica da Estácio, que tem como objetivo premiar artigos científicos, projetos de extensão e ensaios produzidos pelos professores. Os melhores trabalhos serão apresentados durante o Fórum. 
 
Lixo Eletrônico - O projeto foi desenvolvido pelo professor do curso de Sistema de Informação da Estácio FIB, Edmilton Romão, que há anos estuda o ciclo do lixo eletrônico: produção, consumo, descarte, reuso e reciclagem. A equipe de pesquisa e extensão é formada por dois professores orientadores, três alunos bolsistas de iniciação científica e quatro alunos voluntários. 
 
Segundo Edmilton Romão, o projeto ainda está em fase inicial, mas a expectativa é que no final do semestre esteja em andamento. “Já conseguimos dois caminhões de materiais (teclados, monitores, placas, CPUs etc.) que foram doados por uma rede de supermercados. Só estamos providenciando um galpão para guardar o material”, afirma.
 
Os objetivos principais do projeto são de contribuir para o descarte consciente do lixo e transformar o material coletado em novos computadores, que serão doados para instituições de caridade ou de inclusão digital.
 
Sobre a Estácio
 
Um dos maiores e mais conceituados grupos de ensino superior da América Latina, a Estácio atua há 42 anos no país. A instituição, presente em todas as regiões geográficas do Brasil, possui cerca de 4 mil funcionários, corpo docente de 7,5 mil professores e 334,2 mil alunos matriculados. Formada por 39 instituições de Ensino Superior, entre Universidades, Centros Universitários e Faculdades, está presente em 20 estados e no Distrito Federal. Com um total de 77 campi, a instituição oferece diversos cursos presenciais e a distância de Graduação Tradicional, Tecnológica e Licenciatura nas áreas de Ciências Exatas, Biológicas e Humanas, cursos de pós-graduação lato sensu presenciais e a distância, cinco cursos de Mestrado e três cursos de Doutorado (Direito, Odontologia e Educação), avaliados com elevados conceitos de qualidade pelo MEC (Capes), além de cursos de extensão e educação corporativa.
 
 
Um dos principais diferenciais da Estácio é a oferta de material didático gratuito aos alunos. São capítulos integrais das melhores obras para cada disciplina e curso, oferecidas aos alunos com o pagamento, pela instituição, dos direitos autorais devidos. E há dois anos a Estácio inovou mais uma vez: cerca de 20 mil novos alunos já recebem o material didático do curso em um tablet. Além dos conteúdos de cada aula, de cada disciplina, o tablet traz ainda simulados, uma rede social exclusiva para os alunos (a Didátic@), chats, biblioteca virtual, entre vários outros materiais. A Estácio aposta na tecnologia e na inovação como ferramentas que ampliam e transformam as oportunidades de aprendizado dos seus alunos.