Imprensa

Uso de soluções caseiras agrava queimaduras com fogos de artifício
Durante os festejos juninos, a incidência de queimaduras aumenta, por isso é preciso tratar corretamente as lesões e procurar orientação de um profissional de saúde 
 
Com a chegada do São João é frequente a utilização de fogos de artifício. O uso incorreto de bombas, foguetes e espadas é a principal causa de queimaduras durante o período junino. Por isso é recomendável manusear os produtos corretamente para evitar acidentes. Dados da Secretaria de Saúde da Bahia apontam que em 2012, no período de 22 a 24 de junho, foram atendidas 53 pacientes vítimas de queimaduras e explosão de bomba, no Hospital Geral do Estado (HGE). Além do cuidado com o manuseio dos fogos, é preciso tratar as queimaduras de maneira correta, em caso de acidentes, alerta a enfermeira, especialista em Metodologia da Assistência de Enfermagem e professora do curso de Enfermagem da Estácio FIB, Rita Cunha.
 
De acordo com a professora do curso de Enfermagem da Estácio FIB, não se deve utilizar soluções caseiras para tratar as queimaduras. “Cuidar de uma queimadura com procedimentos caseiros é um risco à saúde. Não é recomendável passar no local afetado produtos como sal, água com açúcar, gelo, ovo, óleo, manteiga ou pasta de dente. Mas infelizmente essa prática ainda ocorre e oferece riscos”, afirma.
 
Rita ressalta que o procedimento correto é lavar a lesão com água fria por 10 minutos. “Não pode ser água gelada, pois há o risco de necrosar a pele. Também é importante evitar passar a mão suja no ferimento, estourar bolhas ou cobrir a área lesionada com algodão. As vítimas de queimaduras não devem tirar a pele da área afetada para não agravar a situação”, destaca.
 
Estatísticas
 
O número de queimados também foi expressivo em anos anteriores. De acordo com a Secretaria de Saúde da Bahia, em 2011, o Hospital Geral do Estado (HGE) registrou 103 ocorrências. Dessas, 41 foram de queimaduras e 62 por explosão de bomba. Em 2010, no período de 22 a 27 de junho, foram registrados 111 atendimentos, sendo 54 de explosão de bomba e 57 por outros tipos de acidentes com fogos de artifício e fogueiras.
 
Sobre a Estácio 

Um dos maiores e mais conceituados grupos de ensino superior da América Latina, a Estácio atua há 42 anos no país. A instituição, presente em todas as regiões geográficas do Brasil, possui cerca de 4 mil funcionários, corpo docente de 7,5 mil professores e 334,2 mil alunos matriculados. Formada por 39 instituições de Ensino Superior, entre Universidades, Centros Universitários e Faculdades, está presente em 20 estados e no Distrito Federal. Com um total de 77 campi, a instituição oferece diversos cursos presenciais e a distância de Graduação Tradicional, Tecnológica e Licenciatura nas áreas de Ciências Exatas, Biológicas e Humanas, cursos de pós-graduação lato sensu presenciais e a distância, cinco cursos de Mestrado e três cursos de Doutorado (Direito, Odontologia e Educação), avaliados com elevados conceitos de qualidade pelo MEC (Capes), além de cursos de extensão e educação corporativa.
 
Um dos principais diferenciais da Estácio é a oferta de material didático gratuito aos alunos. São capítulos integrais das melhores obras para cada disciplina e curso, oferecidas aos alunos com o pagamento, pela insitutição, dos direitos autorais devidos. E há dois anos a Estácio inovou mais uma vez: cerca de 20 mil novos alunos já recebem o material didático do curso em um tablet. Além dos conteúdos de cada aula, de cada disciplina, o tablet traz ainda simulados, uma rede social exclusiva para os alunos (a Didátic@), chats, biblioteca virtual, entre vários outros materiais. A Estácio aposta na tecnologia e na inovação como ferramentas que ampliam e transformam as oportunidades de aprendizado dos seus alunos.